Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2007

O Espaço

O Espaço na "Instrumentalina"
O espaço neste conto divide-se em dois grandes cenários e que correspondem igualmente a dois momentos temporais e dois estádios do percurso das personagens. A pequena aldeia do Sul de Portugal (Valmares? – aldeia ficcional) e a cidade nas margens do lago Ontário (Toronto).

Fotografia original de ExpertTorontoGirl - http://www.flickr.com/photos/torontogirl/213299977/

Curiosamente (ou talvez não) os dois espaços estão limitados (ou ligados?) por uma linha de caminho de ferro. O tio Fernando desaparece da aldeia levado por um comboio…
«O meu tio tinha-me feito adeus, e depois o comboio antigo, como um canhão de Austerlitz, atroara na madrugada e levara-o cada vez mais de perfil, de braço levantado, para trás das árvores, por entre as quais a fila de carruagens se sumia» (11)
«O antigo dono da Instrumentalina tinha subido os três degraus do comboio, havia entrado, e depois, acenando, acenando sempre, desaparecera no perfil da carruagem. Assim desaparecera.» (39)
…mas vai reaparecer 30 anos depois no bar de um Hotel (Fairmont Royal Hotel) que fica encostado à grande estação de caminhos de ferro de Toronto.

Fotografia original de DeepFreeze http://www.flickr.com/photos/19068978@N00/144513990/

Terá sido apenas uma coincidência, ou pretende a autora criar a ideia que a separação entre a menina e o tio Fernando realmente nunca foi separação, mas que foi apenas o afastamento temporário de duas pessoas quem fazem uma viagem?
«… mas porque elas falavam de um afecto tão interrompido que eu havia tomado por amortalhado…» (40)
A cidade nas margens do lago Ontário
É o primeiro espaço referido no conto. É aqui que se inicia a narração e será a partir desta cidade que, em analepse, se recuperará o outro espaço do conto. Mais tarde, no final, a acção voltará a este mesmo espaço e aqui terminará.
Trata-se do bar do Royal York Hotel…
«O bar do Royal York Hotel, alimentado às sextas-feiras por bêbados distintos caindo sobre as mesas muito antes da meia-noite, revestido de papel escuro como musgo, lembrava o fundo dum tanque vazado e aquecido…»
… na cidade de Toronto, no Canadá.
«Aquela cidade estendida e empinada à beira do lago Ontário (…) ainda tinha palhetas de gelo.» (9-10)

Fotograifa original de JRawls - http://www.flickr.com/photos/london/4013252/

Trata-se de um espaço moderno, desenvolvido, inovador, que se opõe em quase tudo ao espaço da aldeia.
«… visitava-me rodando sobre o gelo como antigamente acontecia, nos campos de calor e de poeira.» (10)
«… ressuscitado numa cidade tão longe da terra da poeira…» (40)
 
A Aldeia ao sul
Fotografia original de Joaquim Castilho - http://www.flickr.com/photos/jcastilho/117696543/
É o espaço onde decorrerá o essencial do conto.
Trata-se de um espaço rústico, de uma aldeia a Sul.
«… uma nesga de campina ao sul do meu país…» (13)
Provavelmente esta aldeia será a mesma que a autora nomeará mais tarde n’”O Vale da Paixão” – Valmares – que sendo uma aldeia imaginada, inventada é decalcada sobre uma qualquer aldeia algarvia. Podia até ser Boliqueime!
Mas este espaço da “Aldeia ao sul” vai ainda dividir-se em dois outros espaços.
  • A casa da campina
  • O campo das margaridas
 
A casa da campina
Nesta aldeia há uma casa rural com a estrutura típica de uma grande casa agrícola:
«… duma casa grande demais para se viver.» (15)
Uma grande cozinha, centro do dia-a-dia:
«… a grafonola da nossa casa constituía o invento mais recente. Três fogões a petróleo enchendo a sopa de veneno eram a grande conquista das mulheres…» (12)
Um alpendre:
«Sentado à porta, no cadeirão, imóvel, debaixo da parreira, ficava o meu avô.» (12)
Quartos e corredor:
«Saí do quarto da abóbada sem sapatos. Coloquei-me diante do tio. Estávamos no corredor.» (38)
Mas esta casa é sombria, escura, como se augurando algo de mau ou como se assemelhasse a uma prisão.
«… tínhamos ocupado o quarto da abóbada, o que dava para trás, o mais sombrio.» (15)
«A sua imobilidade possuía alguma coisa de fatal que enchia a casa, conferindo-lhe uma sombra de prisão.» (18)
«Mas de que modo dizer isso ao tio Fernando, se ele me levava de volta exactamente para a sombra das parreiras, como se fosse um destino inevitável?» (25)
E para reforçar essa ideia de afastamento e de degredo, a casa era separada do resto da “campina” por um portão de ferro que fechava sobre si mesmo este espaço.
«A rua começava a afastar-se e o portão onde os primos permaneciam imóveis ia ficando definitivamente para trás.» (23)
«Regressar só seria bom se tivesse sido na direcção de um local donde nunca se visse a porta de chegada.» (25)
Esta casa rural vem, desde o início do conto, a perder importância e força económica, revelando um progressivo, mas imparável, declínio.
Este declínio económico, político e social (símbolo de todo um país – Portugal do final da década de 60) é absolutamente evidente na parte final do conto.
«De facto, descomandada, a casa ruía como baralho que se dispersasse, diminuindo as vendas, aumentando as compras, morrendo animais de tiro que não havia mais para substituir com a mesma qualidade. Os seirões de trigo tinham-se enchido de gorgulho, e nas redondezas as moagens fechavam como se estivessem combinadas. Os jornaleiros já não trabalhavam de sol a sol, e por isso o rendimento era escasso, além de que a maior parte deles também estava sucumbindo às miragens da partida.» (33)
O campo das margaridas

Fotografia original de Afribrasil - http://www.flickr.com/photos/afribrasil/150041470/

É a planície alentejana, o espaço aberto e sem limites, o cenário da felicidade, da liberdade e do encantamento.
Este espaço afasta-se da casa e é diferente do calor poeirento e sombrio da casa.
«Os campos planos passavam de um lado para o outro, devagar, desprendendo-se cada vez mais das redondezas da casa da campina, e o seu verde serôdio, perto do queimado, perdia-se de vista» (23-24)
O campo das margaridas é cheio de sol, de verde e de cor. É surpreendente na sua diversidade e no seu simbolismo.
«O cômoro que se elevava depois da depressão não era só verde, não. A seguir a umas ervas densas, a cor da relva dava lugar ao branco eo branco ao amarelo, pois encontrávamo-nos num extenso campo de surpreendentes margaridas.» (24)
E é também o símbolo da sabedoria, do conhecimento, da verdade. Só quem esteve naquele campo pode saber a verdade.
«Só que eu tinha-o acompanhado ao campo das margaridas, conhecia-o melhor, ou dispunha dum outro pressentimento deixado pela mágica das fotografias.» (37)
Publicado por caetana às 15:14

Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Navegação

 

Equipa
Equipa
Equipa
A obra
Button5
Button6

Pesquisar neste blog

 

Maio 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Arquivos

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Artigos recentes

Menção Honrosa - Santarém...

Finalmente...

O Simbolismo

Tradução do artigo da Ana...

Artigo de Ana Paula Ferre...

Cláudia Pazos Alonso fala...

Sinónimos de "bicicleta"

Nomes de bicicletas

Tarefas da 4ª semana

O Espaço

Contactos

Se:
gostou...
não gostou...
leu...
lhe foi útil...
acha incompleto...
quer colaborar...
encontrou erros...

Ou se apenas:
nos quer dar o aconchego
de uma palavra...


Mande-nos um mail
cliquando AQUI.

Ou para os endereços:
ana_lucia_o@sapo.pt
marta_21_marques7@sapo.pt
adriana_maria_5@sapo.pt
caetana_scp@sapo.pt
mfscorreia@sapo.pt
e já agora
jpvasc@sapo.pt

tags

lídia jorge(18)

bibliografia(17)

obra(16)

obras(11)

instrumentalina(10)

livros(10)

personagens(8)

biografia(7)

7a(6)

marta(5)

take5(5)

entrevista(4)

mulheres(3)

aldeia(2)

ana lúcia(2)

ana paula ferreira(2)

autora(2)

avô(2)

casa(2)

espaço(2)

todas as tags

Links

Não se atrase

Visitantes

"Instrumentalinas"

www.flickr.com
Mais fotografias de "instrumentalinas" no Flickr

Inquérito 1

Participar

Participe neste blog

Mais sobre nós

blogs SAPO

Notícias

subscrever feeds